Com crise, brasileiros cortam despesas, mas mantêm gastos com saúde

admin
Read Time2 Minutes, 29 Seconds

RIO – Na hora da crise, o brasileiro corta as despesas, mas tende a preservar os gastos com a saúde. É o que revela pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgada nesta sexta-feira, 20. De acordo com o levantamento Conta-Satélite de Saúde, entre 2010 e 2017, o porcentual das despesas de saúde no Produto Interno Bruto (PIB) aumentou de 8% para 9,2%.

O aumento fica mais evidente no final do período, aponta o estudo, indicando que, em épocas de retração ou de baixo crescimento econômico, o consumo de produtos de saúde (bens e serviços) tende a sofrer uma redução menor do que o de demais produtos da economia. A pesquisa registra também um crescimento relativo da participação das famílias no total das despesas.

“Não é que a participação (das despesas com saúde) tenha aumentado, mas em períodos de retração econômica, a velocidade de queda é menor e a participação da saúde acaba aumentando se comparada ao resto”, explicou Tassia Holguin, técnica de correlação de contas nacionais do IBGE. “Quando a renda diminui, eu deixo de ir a um restaurante caro, mas o remédio que eu tenho que tomar, eu não vou cortar. Pelo menos não num primeiro momento.”

Em 2017, o consumo final de bens e serviços de saúde no Brasil atingiu R$ 608,3 bilhões. Desse total, R$ 253,7 bilhões (3,9% do PIB) foram despesas de consumo do governo e R$ 354,6 bilhões (5,4% do PIB) despesas de famílias e instituições sem fins de lucro a serviços das famílias.

A principal despesa das famílias brasileiras neste setor é com os serviços de saúde privada. Em 2017, eles respondiam por 66,8% do total das despesas. Nesse mesmo ano, os gastos com medicamentos totalizaram R$ 103,5 bilhões – 29% das despesas das famílias com saúde nesse mesmo ano.

A despesa de consumo de medicamentos se manteve estável entre 2010 e 2017 no patamar de aproximadamente 1,5% do PIB, enquanto o consumo de serviços de saúde privada avançou de 2,5% para 3,5% do PIB no mesmo período.

Comparação com outros países

Em comparação a alguns países da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), as despesas de saúde em relação ao PIB são semelhantes. No entanto, no Brasil, a participação do governo (gasto público) é menor do que na maioria desses países.

O levantamento revela que, em 2017, a despesa per capita de bens e serviços de saúde nas famílias alcançou R$ 1.714,56, enquanto a despesa per capita do governo foi de R$ 1.226,76. A análise comparativa mostra que as despesas per capita do brasileiro com saúde são maiores do que em outros países latino-americanos, como Colômbia e México, mas 2,9 vezes menores do que a despesa média observada nos países da OCDE.

0 0
Happy
Happy
0 %
Sad
Sad
0 %
Excited
Excited
0 %
Sleppy
Sleppy
0 %
Angry
Angry
0 %
Surprise
Surprise
0 %

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Next Post

O que acham os eleitores de Bolsonaro em seu primeiro ano no poder

© Beto Barata O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, em um evento de Natal em uma escola pública de Brasília em 19 de dezembro de 2019 Jair Bolsonaro chegou ao poder em janeiro surfando em uma onda de revolta e saturação de milhões de brasileiros contra a corrupção, o crime e […]

Subscribe US Now