O que fazer em caso de afogamento

Redação Brasil
Read Time5 Minute, 32 Second

Infelizmente nem todos os hospitais do país estão capacitados e equipados para realizar o atendimento de um caso de afogamento. Para a nossa sorte, uma dos maiores especialistas mundiais no assunto é justamente um médico carioca, David Szpilman, que ajudou a trazer um novo conceito em atendimento ao afogado para o país.

+ Quando e como você deve solicitar resgate
+ Quero reanimar um afogado. E agora?

Poucas pessoas sabem, mas já temos alguns CRA ou Centros de Recuperação de Afogados no Brasil, e tudo começou no Rio de Janeiro, com a necessidade de termos um atendimento especial e qualificado para socorrer rapidamente as pessoas.

CONHEÇA OS TIPOS DE AFOGAMENTO

>> Afogamento primário: é provocado por não saber nadar ou por uma situação inesperada que foge ao controle da pessoa, como por exemplo, ser arrastada pela correnteza.

>> Afogamento secundário: ocorre como consequência de um outro fator, que pode ser o consumo de drogas, especialmente de álcool (o álcool é a principal causa de morte por afogamento em adultos), crises agudas de doenças, como infarto do miocárdio (ataque cardíaco), AVC (derrame) e convulsões, traumatismos cranianos e de coluna decorrentes de mergulho em águas rasas, hiperventilação voluntária antes dos mergulhos livres, doença da descompressão nos mergulhos profundos, hipotermia e exaustão.

MECANISMO DO TRAUMA: O QUE ACONTECE NO CORPO?

O afogamento ocorre, em geral, por asfixia em virtude da aspiração de líquido que obstrui as vias aéreas e/ou as trocas gasosas impedindo ou dificultando a obtenção do oxigênio fundamental a vida.

No início do afogamento, a pessoa se debate, tentando se manter na superfície. Ela prende a respiração o quanto pode e então sem querer ocorre a aspiração de água,, em pequenas quantidades , o que provoca uma sensação de fechamento da laringe, órgão situado entre a traqueia e a base da língua mas que usualmente é somente a ocupação pela coluna de liquido, e desaparece em alguns segundos pelo esforço realizado para respirar.. . Parte do líquido na boca vai para o estômago e outra porção segue o caminho do ar: percorre a traqueia e chega aos pulmões, passando por brônquios, bronquíolos e alvéolos.

Com o pulmão encharcado, a troca gasosa (entrada de oxigênio e saída de gás carbônico) não funciona mais. A redução da taxa de oxigênio causa danos em todos os tecidos, principalmente nos que precisam de mais ar, como o cérebro, que pode ser gravemente lesionado e a pessoa fica inconsciente e/ou com sequelas por toda vida se a recuperação demorar muito.

Com esta falta de oxigênio no organismo, a vitima perde a consciência, para de respirar e então em alguns segundo mais o coração pára de bater! Temos então o estado mais grave no afogamento, a PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA. Nesta estágio de afogamento, menos de 10% sobrevivem.

CUIDADOS

Prevenção ainda é o melhor remédio e pode reduzir os afogamentos em até 85%. Os cuidados fundamentais para diminuir o risco de afogamentos são:

>> Evitar o consumo de bebidas alcoólicas antes de entrar na água.

>> Evitar refeições pesadas antes de entrar na água.

>> Nade em locais onde tenha guarda-vidas, respeite a sinalização e se as condições não estiverem favoráveis, conheça os seus limites.

>> Não pule na água sem antes verificar a profundidade do local.

>> Não perder as crianças de vista nos ambientes em que há água por perto, especialmente aquelas que não sabem nadar, devem usar bóias e coletes salva-vidas o tempo todo.

>> O acesso a piscinas em residências e clubes deve ser dificultado pela colocação de grades e as tampas de vasos sanitários devem ficar abaixadas.

>> Não nade em locais isolados ou durante a noite.

>> É indispensável que, tão logo atinjam a idade conveniente, as crianças aprendam a nadar.

>> E nunca tente salvar alguém se houver risco a sua segurança, muitas pessoas morrem assim.

>> Em casos de tempestades permaneça longe da água.

TRATAMENTO

Os afogamentos podem ser classificados clinicamente em diferentes graus segundo a condição de insuficiência respiratória e, em geral, precisam de internação hospitalar. No entanto, as manobras de recuperação cardiopulmonar (RCP) para combater a falta de oxigênio no sangue devem começar imediatamente no local do acidente, porque são essenciais para a recuperação e sobrevida do paciente.

Primeiros socorros

>> Faça um curso de primeiros socorros, é a maneira correta de se preparar para esses e outros acidentes, alguns que eu indico se encontram no site: www.sobrasa.org/cursos/cursos.htm

>> Mas se o afogamento ocorreu, a primeira coisa é acionar o resgate: 193. Essas equipes sabem exatamente o que precisa ser feito.

>> Depois do resgate, é fundamental retirar as roupas molhadas da vítima e elevar sua temperatura corporal se apresentar hipotermia.

>> Proteja a coluna cervical quando houver suspeita de lesão e caso o resgate ainda não tenha chego, inicie a respiração boca a boca ou boca-máscara ou com dispositivos de barreira de preferência.

>> Caso o paciente apresente vômitos, deite-o sobre o lado esquerdo do corpo na posição de recuperação para que esse não seja aspirado e cause complicações respiratórias ainda maiores.

Um dos treinamentos dos bombeiros onde Karina participou no litoral do PR sob a direção do Dr David Szpilman e do Coronel do Corpo de Bombeiros Edemilson Barros, o segundo estado do Brasil a ter um CRA.

DICAS FUNDAMENTAIS

>> Use sempre seu bom senso, mesmo que saiba nadar bem. Não entre na água se tiver exagerado ingerido bebidas alcoólicas.

>>Não mergulhe em águas cuja profundidade desconhece, nem se aventure em mergulhos solitários e à noite.

>>Cuidado redobrado com crianças! Mesmo quando estiverem com bóias. É fundamental que, tão logo atinjam a idade conveniente, sejam ensinadas a nadar.

>>Não tente segurar uma pessoa que está se afogando. No desespero ela vai arrastar você e colocar sua vida em risco. Ofereça-lhe um objeto que possa ajudá-la a flutuar e sair da água.

>>Chame os bombeiros, tão logo seja possível, eles têm treinamento especializado nesse tipo de salvamento.

>>E se você tem um filho pequeno, tire 5 minutos e assista esse vídeo com ele:

Prevenção em água doce: http://www.youtube.com/watch?v=fFv1NsbooPc&feature=youtu.be

Prevenção em praias: http://www.youtube.com/watch?v=RIHEIjQIlq0

*Karina Oliani é médica especialista em Wilderness Medicine pela WMS (Wilderness Medical Society). Karina é presidente da Sociedade Brasileira de Medicina de Áreas Remotas e Esportes de Aventura, membro do Conselho Consultivo da SOBRASA (Sociedade Brasileira de Salvamento Aquático) e instrutora de mergulho PADI há mais de 17 anos.

0 0

About Post Author

Redação Brasil

Jornalista - MTB -0077859/SP
Happy
Happy
0 %
Sad
Sad
0 %
Excited
Excited
0 %
Sleppy
Sleppy
0 %
Angry
Angry
0 %
Surprise
Surprise
0 %

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Next Post

Resultado oficial do Enem sairá em 17 de janeiro, diz Inep

Os resultados do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) serão divulgados em 17 de janeiro de 2020, segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Os participantes poderão acessar suas notas pela Página do Participante, no portal ou no aplicativo do Enem, por meio do login com CPF […]

Subscribe US Now