Sexta, 07 Maio, 2021
Politica

Raúl Castro confirma que deixa a liderança do Partido Comunista de Cuba

Autor: Redação
Data: 17 de abril de 2021

Raúl Castro
A votação para eleger o sucessor de Castro acontecerá no final dos quatro dias do VIII Congresso do Partido Comunista de Cuba

Pela primeira vez em seis décadas, o Partido Comunista de Cuba não será comandado por um Castro. Raúl Castro, irmão de Fidel Castro e atual líder do grupo que governa o regime comunista na ilha desde 1959, confirmou esta sexta-feira (16/4) que deixará a liderança do partido. Há três anos, ele já havia deixado a presidência de Cuba.

"Concluo minha missão como primeiro-secretário do Comitê Central do partido com a satisfação de tê-la cumprido e a confiança no futuro da pátria, além da refletida convicção de não aceitar convites para permanecer em órgãos superiores da organização partidária, na qual continuarei militando", afirmou Raúl Castro, que fará 90 anos em junho, durante o VIII Congresso do Partido Comunista de Cuba.

A votação para eleger o sucessor de Castro acontecerá no final dos quatro dias de congresso. Will Grant, correspondente da BBC para Cuba e América Central, afirma que o cargo deve ir para Miguel Díaz-Canel, que já sucedeu Castro na presidência da ilha em 2018.

Raúl foi presidente do país entre 2005 e 2018 e liderou o partido desde 2011, sucedendo o irmão Fidel (1926-2016).

Raul acena, rodeado por mais três pessoas, todas de máscara dentro de sala
Raúl Castro confirmou saída da liderança no VIII Congresso do Partido Comunista de Cuba

Sua saída da liderança do partido já era esperada — ele mesmo promoveu uma reforma em 2016 que definiu um limite de dois mandatos de cinco anos no comando do partido.

A idade de 60 anos também foi fixada como limite para ingresso no Comitê Central do Partido, e de 70 anos para cargos de direção."Entretanto, Raúl Castro continuará a ser uma pessoa poderosa e influente nos bastidores", diz Will Grant, correspondente da BBC.

Relação com os EUA

O VIII Congresso do partido é realizado a portas fechadas e é o principal encontro dos comunistas cubanos.Em seu discurso, Castro também denunciou a hostilidade recente dos Estados Unidos e destacou a vontade de Cuba de promover um diálogo respeitoso com Washington, "sem concessões inerentes à soberania e à independência" da ilha.Em 2014 e com Barack Obama na Casa Branca, Raúl Castro promoveu um processo de aproximação histórico com Washington.Mas a chegada de Donald Trump à presidência dos Estados Unidos em 2017 marcou uma nova fase. Os EUA aboliram canais legais para o envio de remessas, aumentaram exigências para viagens à ilha, vetaram cruzeiros e incluíram a ilha novamente em sua lista de países que apoiam o terrorismo. Cuba esperava que a gestão de Joe Biden a partir deste ano representasse um novo capítulo para a relação bilateral, mas até agora esta não pareceu ser uma prioridade para o novo titular da Casa Branca.

FONTE: BBC NEWS BRASIL