Universidade de Oxford quer tratar pânico, fobias e TOC com realidade virtual

Redação Brasil
Read Time1 Minute, 18 Second

Oxford VR© Reprodução Oxford VR

A Oxford VR, empresa britânica de realidade virtual, acaba de acumular mais de 13 milhões de euros para investir na terapia com a tecnologia no futuro.

A companhia surgiu a partir do departamento de psiquiatria da Universidade de Oxford, em 2017, e conseguiu arrecadar o valor total em uma rodada de financiamento da Optum Ventures. Com a quantia, segundo anúncio da própria empresa, será possível acelerar a expansão da sua solução de terapia nos Estados Unidos, assim como o seu canal de tratamento.

O objetivo da Oxford VR é colocar em prática grande parte das soluções propostas para o benefício da saúde, graças à tecnologia da realidade virtual. Tudo começou com um ensaio clínico, quando a companhia utilizou o recurso para tratar pessoas que sentem medo de altura. Depois destes testes, a aplicação começou a ser estudada também para o tratamento de outras áreas psicológicas, como a ansiedade social e o TOC (Transtorno Obsessivo Compulsivo).

Imagem: ReproduçãoImagem: Reprodução

A plataforma desenvolvida pela empresa britânica oferece ainda o tratamento automatizado alinhado de acordo com protocolos e padrões clínicos, desenvolvendo eventos simulados que podem desencadear esses problemas, ajudando quem sofre com eles a confrontá-los em um ambiente controlado e, claro, seguro.

O vídeo abaixo mostra um exemplo da aplicação da realidade virtual no tratamento psicológico, contando a história de Dick, um paramédico aposentado que, por toda a vida, sentia um medo grave de alturas.

Dick foi acompanhado por oito sessões de terapia com a realidade virtual, totalizando quatro horas durante duas semanas. Veja o antes e o depois:

Fonte: Venture Beat

0 0

About Post Author

Redação Brasil

Jornalista - MTB -0077859/SP
Happy
Happy
0 %
Sad
Sad
0 %
Excited
Excited
0 %
Sleppy
Sleppy
0 %
Angry
Angry
0 %
Surprise
Surprise
0 %

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Next Post

Estudantes brasileiros na China ficam no 'limbo' em meio ao surto de coronavírus

© Arquivo pessoal Bruna Sebastiany e o namorado usando máscaras; ela precisou ficar em quarentena e agora não sabe quando suas aulas de mandarim vão recomeçar Ao retornar ao alojamento estudantil do Instituto Politécnico de Macau (IPM) no dia 31 de janeiro, depois de passar o feriado do Ano Novo chinês em Hong Kong, a brasileira Bruna Sebastiany, de 24 anos, de Cruzeiro do Sul (RS), foi avisada de que não […]

Subscribe US Now